Vencedores do Concurso 29ª Noite Nacional da Poesia

1º Lugar:

CANA
Carlos Eugênio da Silva Rêgo
(Brasília – DF)

Ciço de Doca corta cana.
Sua medida é a exaustão.
Sua vida nenhum sonho abriga
por falta de tempo
e por pura fadiga.
No Sertão, a casa
onde jorram filharada e silêncio,
em orfandade antecipada,
Ciço habita a parede em moldura.
Ciço de Doca corta cana,
junta prata pro caixão.
Sua fome é o molho que engorda
a vista longa do patrão.

————————————————————————————–

2º lugar:

IDENTIDADE
Antônio Francisco Pereira
Belo Horizonte – MG

Quando nasci
eu tinha um nome
e uma certidão.

Quando era criança
eu tinha um apelido
e muitos amigos.

Hoje, que cresci,
eu tenho um título
e vários números

Espelho, espelho meu:
quem sou eu ?
Hoje sou inscrito
registrado
cadastrado
e digitalizado.

Tenho RG
CPF
PIS

CEP e uma infinidade de códigos.

Assim vou número-vivendo
no meio de siglas e senhas
cifras e cifrões
com um pé no exercício
e outro no ano-base,

Sombra existencial.
Passos monitorados
num mundo impessoal.

Amanhã, no meu obituário,
morrerá o nome
ou morrerão os números?

Morte física
ou virtual?

Enterrado
ou deletado?

Caixão
ou terminal sem conexão ?

Espelho, espelho meu
quem fui eu ?

————————————————————————————–

3º lugar:

PÁSSARO CIRCUNFLEXO
Ileides Joana Muller
Campo Grande – MS

Antes que a noite mastigue a tarde
um passarinho avulso
prospera no ermo azul,
sintetiza as aves que foram para os ninhos.

Leva nas asas um atraso notório
e percorre o céu
(ou pervoa o céu?)

Voa com pressa
o circunflexo passarinho
que nem nome tem.

Fico aqui na torcida:
passa
passa
passa – rinho…
Encontre seu ninho também
Antes que a noite engula a tarde
Com você dentro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *